É importante lembrar que a obesidade é uma doença e a primeira opção de tratamento para se livrar do excesso de peso é o tratamento clínico, que inclui dieta, exercícios, medicação e acompanhamento de endocrinologista e nutricionista.

Também podem fazer parte da equipe um fisioterapeuta e um psicólogo. O objetivo é conscientizar o paciente da necessidade de trocar o sedentarismo e a má alimentação por hábitos de vida mais saudáveis que contemplem atividade física e dieta balanceada.

Nos casos em que a obesidade traz prejuízos à saúde e o tratamento clínico se mostra ineficaz, o tratamento cirúrgico deve ser considerado. A cirurgia bariátrica é conhecida popularmente como “redução de estômago”, mas vai muito além. Existem vários tipos de cirurgias disponíveis e cabe ao médico apresentá-los ao paciente e recomendar o mais apropriado e seguro.

Os pacientes que podem fazer a cirurgia bariátrica são aqueles com Índice de Massa Corporal (IMC) igual ou superior a 40 kg/m², que passaram pelo tratamento clínico e não obtiveram resultados satisfatórios, ou aqueles com IMC a partir de 35 kg/m² que apresentam doenças associadas à obesidade como diabetes, hipertensão arterial, dislipidemia e apneia do sono.

Saiba mais sobre cirurgia bariátrica clicando aqui.