Em um workshop organizado pela Sociedade Brasileira de Cirurgia Bariátrica e Metabólica (SBCBM), as principais sociedades médicas envolvidas no tratamento do Diabetes tipo 2 se reuniram para debater novas opções de tratamento para a doença.

Aprovada pelo Conselho Federal de Medicina (CFM) para o tratamento da diabetes, a cirurgia metabólica pode ser uma alternativa para os pacientes que não vem tendo resultado satisfatório com o tratamento clínico.

Para o cirurgião Alexander Morrell, presidente do capítulo de São Paulo da SBCBM, a possibilidade cirúrgica precisa ser discutida de forma multidisciplinar.

“É importante lembrar que a melhor alternativa de tratamento pode compreender uma ação conjunta entre o cirurgião e o clínico. Tem que ter uma interação entre as duas especialidades. O diabético é um paciente complexo, a doença atinge vários órgãos e depende de um tratamento multidisciplinar”, ressalta o cirurgião do Centro Avançado de Tratamento e Cirurgia.

Estudos apontam que, quando operados, os pacientes têm um controle muito maior do diabetes. “Sabemos da importância da atuação do cirurgião fazendo com que essa doença fique melhor controlada após a cirurgia bariátrica ou a cirurgia metabólica propriamente dita. Inclusive naqueles pacientes que não têm o índice de massa corpórea elevada, o resultado tem sido extremamente favorável”, afirmou.

A operação, aprovada pelo CFM desde 2017, é indicada aos pacientes que possuem diabetes mellitus Tipo 2 (DM2), com Índice de Massa Corporal entre 30 kg/m² a 35kg/m².

O diabetes tipo 2 atinge 9% da população brasileira e está diretamente ligada à obesidade.