Instituto Morrell

A vesícula biliar é o órgão responsável pelo armazenamento da bile produzida pelo fígado. A bile tem três componentes básicos: bilirrubina, sais biliares e colesterol. A bilirrubina é um pigmento derivado da destruição dos glóbulos vermelhos do sangue, efetuada no baço. Através da circulação, é levada para o fígado que a elimina pelos canais biliares; ela dá cor à bile. O fígado produz os sais biliares que são importantes no processo de digestão dos alimentos, especialmente das gorduras. O colesterol é eliminado pelo fígado, através da bile. Há um equilíbrio físico-químico entre essas três substâncias que mantêm a bile em estado líquido. A perda deste equilíbrio provoca precipitação de seus componentes, dando origem aos cálculos (pedras).

Quais são as conseqüências da formação dos cálculos?

A formação dessas pedras pode permanecer silenciosa e indolor por muito tempo, porém a movimentação dos cálculos pelo canal pode provocar cólicas intensas. Quando o cálculo encrava no ducto cístico, impedindo a passagem de bile, esta é retida na vesícula e desencadeia um processo inflamatório e infeccioso agudo que se chama colecistite aguda.

A colecistite aguda pode regredir ou não. Quando for persistente, vai se comportar como um abscesso local. Pode romper, ficando bloqueada sob o fígado ou romper para dentro do abdômen provocando peritonite aguda. Quando um cálculo sai da vesícula biliar e progride para o canal hepático obstruindo esse canal, a bile não passa para o intestino e reflui através das células hepáticas para a corrente circulatória. A bilirrubina refluída para o sangue provoca uma cor amarelada de pele ,típica que é chamada de icterícia. Essa bile retida pode infectar, provocando doença grave designada colangite aguda.

Tratamentos

Instituto MorrellO tratamento dos cálculos da vesícula biliar envolvem cirurgia. A vesícula é o órgão doente e a fonte produtora dos cálculos e se não for retirada continuará a produzi-los com um grande potencial de complicações.

A remoção da vesícula biliar chama-se colecistectomia. Ela pode ser feita pela Técnica Convencional ou pela técnica Videolaparoscopica.

Na Convencional é realizada uma incisão de aproximadamente 20 cm logo abaixo do gradeado costal no lado direito do abdômen e após a abertura de todas as camadas musculares o cirurgião identifica e retira o órgão.

Com a videolaparoscopia, a cirurgia é feita com quatro pequenas incisões que variam de 5 a 10 mm. Através desses furos, o cirurgião introduz os instrumentos e uma câmera de TV que amplia a imagem em 20 vezes. A internação é de 24 horas e após uma semana o paciente está apto a exercer suas atividades normais.

Como as incisões são mínimas e a agressão cirúrgica muito menor, a dor no pós operatório é infinitamente menor quando comparada à convencional, fazendo com que o paciente tenha condições de retornar ao trabalho e as atividades físicas muito mais rápido.

A vesícula é fundamental para o organismo?

Não. Quando a vesícula biliar deixa de funcionar por doença ou é extraída cirurgicamente, os canais biliares intra e extra-hepáticos dilatam para conter mais bile. Sem a vesícula, embora menor, a quantidade de bile é suficiente para desempenhar sua função digestiva.

Ficou com alguma dúvida?

Pergunte ao doutor ou marque um horário.